20 de mai de 2012

10 de mai de 2012

Lindonésia

Mil miradas para se ver Lindonésia, com seus telhados, castelos, janelas e pessoas cerradas. Para que os gratos turistas imaginem o que foi um dia e nem de longe hoje é. Cuba mediterrânea, aprisionada em pesados passados, expostos como flores sem brilho. História de inquestionáveis equívocos, permanentes esperanças que, talvez, agora, se convertam em algo difícil de dizer. Por isso os murmúrios, as queixas ao telefone, entre todos os funcionários das lojas, que já não sabem se gostam ou detestam os turistas, prometidos salvadores e inquestionáveis testemunhas de uma angústia que os muros e os rostos da cidade não cessam de alardear.

9 de mai de 2012

Belina

Com alguns milhões de habitantes, Belina conservava o ar puro e um certo aspecto de cidade pequena, com passarinhos sempre prontos a abrir o bico. Maltrapilha se sustentava, sem muitos bancos, escritórios, indústrias e habitantes engravatados. Os demais levavam sempre suas bicicletas para passear à orla de algum rio ou canal, travando com os embriagados pedestres uma desapressada coreografia. Presente em diversos aspectos da sua marcante figura, a essência de Belina podia se organizar em uma simples frase: ninguém estava ali atrás dos cifrões que movem o resto do mundo.